A perseguição, o flagelo e a escravidão sofrida pelos italianos no Brasil.

A perseguição, o flagelo e a escravidão sofrida pelos italianos no Brasil.



Os italianos começaram a vir para o Brasil em 1850, após a Inglaterra obrigar o governo imperial a acabar com o tráfico negreiro, o que prejudicou os fazendeiros locais. Assim, os itálicos substituíram os negros, mas a escravidão continuou sendo, assim, uma servidão branca.

Em 1875, os italianos foram inicialmente colocados em “colônias” – eufemismo para senzalas - em áreas rurais como a Serra Gaúcha, Garibaldi e Bento Gonçalves. Cinco anos depois, Caxias do Sul. Também foram fundadas as primeiras “colônias” catarinenses em Criciúma e Urussanga e, em seguida, as primeiras do Estado do Paraná. Apesar da região sul ter recebido os primeiros italianos, foi a região sudeste que recebeu o maior número de imigrantes oriundos da Itália. Isto se deve ao processo de expansão das fazendas de café, no Estado de São Paulo. Depois, começaram a expandir-se por Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. 


O filme "O Quatrilho", do diretor Fábio Barreto e baseado no livro homônimo de José Clemente Pozenato, mostra com clareza a miséria, o sofrimento e o preconceito que sofreram no Brasil. As condições de trabalho desses europeus eram bem piores do que as dos africanos.

Durante a 2ª Guerra, o Brasil manteve 31 campos de concentração, para onde mandava os cidadãos de países do Eixo – a coligação formada por Itália, Japão e Alemanha. Alguns deles foram mandados para presídios comuns – como os de Ilha Grande e Ilha das Flores (RJ). Mas a maioria foi para campos de concentração, organizados pelo Ministério da Justiça de Getúlio Vargas.

Na época, o governo brasileiro fazia de tudo para mostrar que os prisioneiros de guerra eram bem tratados – o que nem sempre era verdade. O tempo de internamento variava. Houve pessoas que ficaram três anos presas.

Nem no futebol os italianos tiveram paz. Em 1942, Getúlio Vargas realizou um extenso discurso, fazendo referências aos imigrantes alemães, japoneses e italianos em tom ameaçador. Com as palavras ditas pelo presidente, o Palestra Itália teve de reformular seu nome. E hoje é conhecido como Sociedade Esportiva Palmeiras.

Bom, seja como for, hoje temos uma verdadeira Itália dentro de nós. Homens e mulheres descendentes de gente sofrida na guerra europeia e no Brasil.

Ainda bem que ele existem!


Irmãos da Itália
A Itália acordou.
Nós fomos há séculos
Pisados, escarnecidos
Porque não somos povo

Porque estamos divididos
Reúna-nos uma única
Bandeira, uma esperança
De fundirmo-nos juntos
Já é hora

Clique e ouça “Fratelli d'Italia”.


Veja o nosso site e fique informado.

http://www.cotaperiscopica.com.br/index.php

 


 

 





 

Comentários